Turismo e table ware

Muito se tem falado sobre o motor económico que o turismo está a ser para Portugal. Que apesar de sazonal mexe com a economia. Que apesar de ser como uma maré enche a praia. Que apesar de haver nuvens o sol cá ainda bronzeia. Os mais beneficiados são sectores como a restauração, a hotelaria e os transportes. Os mais prejudicados são os indígenas que se vêm excluídos do centros urbanos das suas cidades.

Sendo o design de produto uma actividade económica ligada à indústria, o turismo tem também sido o seu forte motor. Por um lado tem usado as mesmas estratégias de marketing de valorização territorial e cultural que promove o país enquanto destino turístico. Ou seja, Portugal e as suas indústrias têm se mostrado no exterior e demonstrado capazes de estar a par com quaisquer manufactura mundial, o que é bom para quem produz e é bom para a EU que procura produzir bem e, preferencialmente, barato. Isto faz com que as empresas ganhem confiança e liquidez e comecem a apostar em inovar.

Por outro lado, a procura incessante pelo autêntico e genuíno que a competitividade no turismo obriga levou a que toda um cultura do very typical fosse revista, já que a melhor forma de crescimento do sector passa por subir a quantidade de dinheiro gasto por estrangeiros que visitam este rectângulo à beira mar. Isto levou à diversificação e especificação da oferta.

Estando o designer já habituado a ser um instrumento de acrescimento de valor, este foi contratado para aumentar as facturas pagas nos restaurantes e hotéis por esse patchwork de regiões que cobre este território.

Copos, malgas, taças, pratos, centros de mesa, decoração integral, renovação, interiores, food designers, projectos comissionados, identidades gráficas e comunicação de redes sociais, e mais pratos, malgas e taças foram alguns dos muitos projectos e produtos que este sector consumiu.

Para além de aumentarem a fatia de negócios no mercado interno às empresas dos sectores de hotelaria e cristalaria, estes projectos têm também dado trabalho a muitos ateliers e marcas pequenas de dimensão uni-pessoal. Muitos destes restaurantes e hotéis e hostéis optaram por contratar designers que desenhassem mas que também produzissem produtos distintos, sobretudo na área de louça de mesa.

A procura deste tipo de produtos utilitários provocou uma explosão de designer makers, ou seja designers fazedores que são responsáveis pela produção das próprias peças. A grande procura provocou mesmo a explosão do movimento de designer makers em Portugal.

A independência na criação, já que o designer fica responsável por projectar e produzir, é um grande chamariz para uma geração que não ficou à espera que a indústria a contratasse.

Assim, como os produtos que o boom turístico potenciou se tratam sobretudo de table ware, ou louça de mesa, são inúmeros os ateliers/oficinas de cerâmica que têm despontado um pouco pelo país inteiro. Tratam de projectar e produzir estas taças, malgas e pratos que os restaurantes e hotéis do país precisam para se evidenciarem e destacarem num sector cada vez mais competitivo.

Há nas mudanças sócio-culturais oportunidades económicas para todos os sectores. Os designers normalmente são ávidos observadores destas mudanças, já que são permeáveis à inovação. Esperemos que muito ainda mude e que apesar do mau tempo amanhã faça sol.

Anúncios