Turismo e table ware

Muito se tem falado sobre o motor económico que o turismo está a ser para Portugal. Que apesar de sazonal mexe com a economia. Que apesar de ser como uma maré enche a praia. Que apesar de haver nuvens o sol cá ainda bronzeia. Os mais beneficiados são sectores como a restauração, a hotelaria e os transportes. Os mais prejudicados são os indígenas que se vêm excluídos do centros urbanos das suas cidades.

Sendo o design de produto uma actividade económica ligada à indústria, o turismo tem também sido o seu forte motor. Por um lado tem usado as mesmas estratégias de marketing de valorização territorial e cultural que promove o país enquanto destino turístico. Ou seja, Portugal e as suas indústrias têm se mostrado no exterior e demonstrado capazes de estar a par com quaisquer manufactura mundial, o que é bom para quem produz e é bom para a EU que procura produzir bem e, preferencialmente, barato. Isto faz com que as empresas ganhem confiança e liquidez e comecem a apostar em inovar.

Por outro lado, a procura incessante pelo autêntico e genuíno que a competitividade no turismo obriga levou a que toda um cultura do very typical fosse revista, já que a melhor forma de crescimento do sector passa por subir a quantidade de dinheiro gasto por estrangeiros que visitam este rectângulo à beira mar. Isto levou à diversificação e especificação da oferta.

Estando o designer já habituado a ser um instrumento de acrescimento de valor, este foi contratado para aumentar as facturas pagas nos restaurantes e hotéis por esse patchwork de regiões que cobre este território.

Copos, malgas, taças, pratos, centros de mesa, decoração integral, renovação, interiores, food designers, projectos comissionados, identidades gráficas e comunicação de redes sociais, e mais pratos, malgas e taças foram alguns dos muitos projectos e produtos que este sector consumiu.

Para além de aumentarem a fatia de negócios no mercado interno às empresas dos sectores de hotelaria e cristalaria, estes projectos têm também dado trabalho a muitos ateliers e marcas pequenas de dimensão uni-pessoal. Muitos destes restaurantes e hotéis e hostéis optaram por contratar designers que desenhassem mas que também produzissem produtos distintos, sobretudo na área de louça de mesa.

A procura deste tipo de produtos utilitários provocou uma explosão de designer makers, ou seja designers fazedores que são responsáveis pela produção das próprias peças. A grande procura provocou mesmo a explosão do movimento de designer makers em Portugal.

A independência na criação, já que o designer fica responsável por projectar e produzir, é um grande chamariz para uma geração que não ficou à espera que a indústria a contratasse.

Assim, como os produtos que o boom turístico potenciou se tratam sobretudo de table ware, ou louça de mesa, são inúmeros os ateliers/oficinas de cerâmica que têm despontado um pouco pelo país inteiro. Tratam de projectar e produzir estas taças, malgas e pratos que os restaurantes e hotéis do país precisam para se evidenciarem e destacarem num sector cada vez mais competitivo.

Há nas mudanças sócio-culturais oportunidades económicas para todos os sectores. Os designers normalmente são ávidos observadores destas mudanças, já que são permeáveis à inovação. Esperemos que muito ainda mude e que apesar do mau tempo amanhã faça sol.

Pedro Sousa e o design de mobiliário de luxo português

Se calhar tudo começou com a Boca do Lobo. E talvez nem tanto assim. Começou na vontade de fazer valorizar o mobiliário que se produzia no Norte do País, aumentando o posicionamento do produto. Esta semente de adicionar “requinte”, “exclusividade” e “elegância” aos produtos de uma indústria que se precisava de reinventar foi um golpe de marketing certeiro que catapultou e gerou diversas marcas/empresas/fábricas no nosso País.
Na feira dedicada ao mobiliário e decoração Maison et Objet, que se realiza duas vezes por ano em Paris, existe uma pavilhão quase só com empresas portuguesas. Estão todas posicionadas no mercado High Class, onde impera o uso de materiais nobres, dourados e bons acabamentos. Há aqui uma herança do mobiliário colonialista que acho interessante e que irei explorar noutro post. Por agora vou dar alguns exemplos para que se perceba melhor o universo imagético onde estas empresas operam. Temos a Boca do Lobo, a Munna e a sua irmã Ginger & Jagger mas também a Frato, a Ana Roque Interiores , a Insidherland e a Jet Class. E estou apenas a citar algumas, mais conhecidas e sólidas, mas que partilham este espírito do “mobiliário de luxo português”.

Se é difícil apontar responsabilidades na criação ou reinvenção deste estilo quero porém afirmar a importância que um designer em específico tem para mim neste “movimento”. O seu nome é Pedro Sousa e foi um dos fundadores da Boca do Lobo, onde desenhou duas das icónicas e iniciais peças para a marca. Falo dos aparadores Mondrian e Diamond.

Aparador Diamond para a Boca do Lobo 
Há aqui a noção elementar de criar valor através de processos de design. Escolhida a peça-jóia de uma sala de classe alta enquanto estratégia de valor aumentado o designer Pedro Sousa explora processos, estéticas e materiais que imprimam o desejo de luxo. Foram soberbos alguns dos seus designs iniciais para esta marca, o que se veio a reflectir no sucesso alcançado por estas e outras peças.
Aparador Mondrian para a Boca do Lobo
Depois da sua saída da Boca do Lobo vemos alguns dos seus trabalhos em algumas marcas conceptualmente semelhantes. Tem projectos editados para a Ginger & Jagger onde as suas peças têm também um destaque singular no catálogo da marca. É o caso do aparador Magnolia que responde ao mote da marca, ligando elementos naturais a mobiliário de luxo.

Há outros trabalhos de Pedro Sousa que merecem destaque como alguns dos seus projecto para a marca SAAL e outras editadas em nome próprio.
Edição Pedro Sousa
Sem querer fazer uma ode ao trabalho de Pedro Sousa, o seu corpo de trabalho influencia e influenciou o que para mim é a principal tendência do sector mobiliário em Portugal. Peças de luxo, com materiais e processos exclusivos que procuram aliar a excelência da manufactura nacional a um posicionamento alto. Do ponto de vista do designer marketeer esta conjugação resulta na perfeição, não podendo porém manifestar-se de forma a reduzir o restante panorama da criação nacional ao empolamento do produto por via desta estratégia. Mas se há característica do design de mobiliário em Portugal é esta. Ser caro e luxuoso. Bling.

Design de Instalações

Uma das consequências, boa neste caso, da dissipação da fronteira entre o design e a arte, nesta ordem, foi o desembaraço com que se podem abordar tipologias objectuais que anteriormente eram retidas pelos artistas. Também terá de ser dito que na transição da arquitectura/design e consequentemente arquitecto/designer houve espaço para este assumir e realizar instalações e edifícios de escala pequena, objectos de habitar.
Ou seja, o designer também faz instalações. Qualquer evento de design que se preze tem uma instalação, que acaba por ser um dos momentos mais monumentais. Da arte vem a megalomania interpretativa, da arquitectura a escala. Enquanto designer o desafio ou problema a resolver é simples. Como engajar as pessoas? Tirar partido destas características e propor uma participação massiva de espectadores. É um design de espectáculo. O designer estrela afirma se magnânimo.
cos
Há aqui duas preposições que me entretêm.
A primeira prende se com o sucesso de ir de encontro à expectativa. São um estrondo de pessoas a ir a estes acontecimentos, com filas intermináveis.  A instalação criada pelos Studio Swine para a COS na última semana do design em Milão é um destes casos. Torna-se imperativo ir, o que é por si indicativo do poder do design, quando alcança o seu objetivo de forma eficaz. Há muito público para o design, poucas instituições que fora do âmbito de feiras ou certames apostam neste tipo de instalações e sobretudo poucos designers capazes de transmitir aquilo que se pretende. O entusiasmo por um acontecimento.
Por outro lado, pouco me interessa esta espetaculariedade da experiência. É a venda fácil de um produto difícil. Ou seja, se os projectos que estão por trás destes eventos normalmente acarretam investigações técnicas e inovadoras, ao mesmo tempo perdem se na Wall de memórias das redes sociais. Porque o produto mental é um exercício de observação retido nas clouds.