Vidas de Vidro

Uma das fases mais custosas no desenvolvimento de um produto novo, em termos de tempo e de investimento, é a da prototipagem. Tens de fazer e ver para crer, usar e experimentar. Por melhor que desenhes à mão ou no computador nada te dá a sensação de teres na mão aquilo que projectaste.

Mas claro, se tivermos a desenvolver uma embalagem de cartão, a facilidade de construir protótipos e pequenas maquetes ajuda nos processos de decisão.

Porém, existem matérias, processos de fabrico e escalas em projectos que nos dificultam a vida, dada a dificuldade de os simular. É como fazer sumo de uva quando se quer testar a qualidade do vinho.

Um desses casos é o vidro. Não bastasse o facto de que desenhar coisas transparentes com o brilho e expressão pretendidas é um dos testes de admissão para assistente de um Da Vinci, também o vidro enquanto matéria não se permite a simulações usando plasticina para fazer uma travessa de pyrex ou uma jarra da Jasmin.

Algumas das peças produzidas no workshop de produção de vidro em molde. À frente peças do designer Jorge Carreira
Algumas das peças produzidas no workshop de produção de vidro em molde. À frente peças do designer Jorge Carreira

Existem no entanto algumas possibilidades de testar e experimentar com a matéria e com os vários processos de produção existentes.

Por exemplo, o CENCAL, na Marinha Grande, que desempenha de forma excelente o seu papel de formação de técnicos profissionais ligados ao ramo. Para além disso serve também de laboratório onde se podem experimentar formas e processos inovadores, sem a pressão de uma linha de produção ou os tempos de desenvolvimento de protótipo exigidos pela indústria. Ou seja, nos cursos e workshops de formação de técnicas de vidro soprado c/ e sem molde orientadas por um vidreiro experiente podem-se experimentar um sem número de possibilidades. Porreiro não? Ah e as formações são de borla.

Num contexto onde a dificuldade do sector é notória, apesar de hiperbolizada como quem está nas urgências com uma constipação à espera de vez e só berra “ó mãe ó mãe” porque talvez assim lhe dêem atenção, o CENCAL ainda assim é um motor de inovação, onde existe espaço para explorar as técnicas e os materiais.

Têm surgido projectos de designers e artistas que renovam o interesse nesta indústria, provando que um ofício ou técnica artesanal não precisa simplesmente de ser deixada a morrer. Projectos dos designers Vítor Agostinho ou Samuel Reis nasceram no seio destes workshops/formações e dão uma nova vida a quem vaticinava o sector como moribundo.

Esta lógica de experimentação é o fulcro para o qual a indústria devia estar centrada, seja no sector do vidro ou outro. Porque permite a experimentação, porque dá lugar à criatividade, porque forma quadros competentes e conhecedores da cultura material necessária para a criação de uma certa “novidade” relevante. Sem espaço para a criatividade é difícil ser se criativo. Acho que têm de haver mais ferramentas que dêem esse espaço aos criativos.

 

Anúncios

Autor: sellmayer

Paulo Sellmayer is a portuguese/german designer based in Leiria, Portugal. He is the creative director at VICARA and holds his own office.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s